BIBLIOTECA PALÁCIO GALVEIAS - CICLO DE CONFERÊNCIAS

11 de Dezembro 2019


A OperaWave continua a organizar o ciclo de conferências subordinado ao tema CIÊNCIA E ARTE, a cada terceira quarta feira do mês, iniciado a partir de 20 de Fevereiro de 2019, na Biblioteca Palácio Galveias.

No dia 11 de Dezembro de 2019, decorrerá a Conferência subordinada ao tema: MÃOS QUE CANTAM, pelo Maestro Sérgio Peixoto

 

O projeto “Mãos que Cantam”, iniciado em 2010, criou um coro de surdos com os alunos da Licenciatura e Mestrado em Língua Gestual Portuguesa do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica, que começou por atuar em conjunto com o Coro desta Universidade. Este projeto pretende demonstrar que, no âmbito da responsabilidade social, as pessoas surdas podem fazer parte de um coro e, até, atuar em diversos ambientes musicais. A Língua Gestual, igualmente rica e complementar da linguagem musical, potencia a expressão dos sentimentos mais profundos, tornando, assim, cada atuação num espectáculo único. É um projeto pioneiro, a nível nacional, na integração simultânea de surdos e ouvintes. Um dos objetivos deste projecto é a edição de um manual de gestos associados à música, para sensibilizar e apoiar os professores de Educação Musical a integrarem nas suas aulas alunos ouvintes e surdos.

 

Sérgio Peixoto iniciou a sua formação musical aos 5 anos de idade na Academia dos Amadores de Música e aos 8 anos como coralista e solista, tendo mais tarde ingressado no Instituto Gregoriano de Lisboa. É licenciado em Ciências Musicais pela Universidade Nova de Lisboa. Foi membro do Grupo Vocal Olisipo de 1994 a 1998, com o qual participou em festivais e concursos internacionais, conseguindo em todos eles o 1º lugar na categoria de Coros de Câmara. Foi membro efetivo do Coro da Fundação Calouste Gulbenkian de 1998 a 2010, onde abordou as grandes obras do reportório sinfónico e de câmara em concertos na Europa, Ásia, América, bem como gravações discográficas. Em 1999 foi convidado a integrar o grupo Tetvocal com o qual realizou numerosos concertos em Portugal, Brasil (2000 e 2002) e Tailândia (2002, 2003 a convite da casa real tailandesa). Em 2001, juntamente com Filipe Faria, funda o ensemble Sete Lágrimas, especializando-se na área da música antiga e contemporânea em Portugal. Com o ensemble Sete Lágrimas, grava para a editora Arte das Musas/MuRecords 12 discos, e participa nosmais prestigiados festivais musicais em Portugal, Europa e Ásia. É director artístico/musical do único coro de surdos (coro em Língua Gestual Portuguesa) em Portugal. Desde de 2010 que tem vindo a exercer na Universidade Católica Portuguesa um trabalho de inclusão através da música com surdos. Este projeto pretende demonstrar, no âmbito da responsabilidade social, que as pessoas surdas podem fazer parte de um coro. Em 2017 é agraciado pelo Instituto Nacional de Reabilitação com o prémio Dedicação, em prol da defesa e afirmação da Língua Gestual Portuguesa. Complementa a sua actividade musical trabalhando com diversos agrupamentos, nos quais se destacam o Coro da Universidade Católica Portuguesa, Coro Magis e coro do IPMA.




BIBLIOTECA PALÁCIO GALVEIAS CICLO DE CONFERÊNCIAS